Se não tens imaginação…

Se não tens imaginação, ou, ao menos, a sincera intenção de desenvolvê-la, não te ponhas a ler poemas. Porque o poema exige-te capacidade de montar um cavalo alado e, despreocupado, voares por um mundo tecido aos poucos, vagarosa e deslumbrantemente. Se não tens apreço pela palavra — ou paciência —, não toques em poema, porque o poema quer ser deliciado, quer pôr-te apaixonado, perdido na beleza das palavras e sua delicadeza (mesmo o mais bruto dos poemas é delicado). Se queres só o que é comum e trivial, vai à padaria, faz um chá, mas não te ponhas a ler poemas, porque o poema é uma droga benfazeja, nascida do sexo entre o tédio e a paixão pelo que vai solto, desprendido a navegar, e pode tirar-te o chão. Mas se queres gozar, jubilar-te, rodopiar… ah!… põe-te a ler poemas, que esses são florestas virgens, minas secretas, fontes de águas crespas, e pôr-te-ão a levitar por mundos ricos e incríveis – e a amar.

Advertisements